Nova casa, velhas saudades

Às vezes eu sinto saudade antecipadamente. Sabe aquela coisa de olhar para o lado e sentir saudade da comida da mãe, mesmo ela estando ali? Pois é. Sem falar em outras coisas… O fato é que tenho me sentido assim.


Sempre morei com meus pais. Não por falta de vontade de viver sozinha, mas por falta de oportunidade. Priorizei a minha formação e não consegui me sustentar fora da casa deles. Aquelas coisas pelas quais muita gente passa. Não foi diferente comigo.


Eu sempre fui muito independente. Filhos únicos não têm só o privilégio da atenção exclusiva, mas principalmente a oportunidade de aprenderem a encarar certas coisas sozinhos, desde cedo. Não sei dizer como é ter um irmão pois não o tenho. Sei dizer que não tê-lo me fez aprender a não precisar de um. Pode soar arrogante mas não é. Quando me perguntam se eu gostaria de ter irmãos, digo que sim. Gostaria que meus pais tivessem tido mais filhos. Mas não tiveram. E eu sobrevivi, afinal. Mas é difícil sim a vida de um filho único. São muitas responsabilidades e expectativas alheias para administrar.


Enfim, nessas noites estupidamente frias dos últimos dias fico pensando no meu apartamento e torcendo para que ele não seja frio. Eu sou tão friorenta. E o lençol térmico não vai comigo. E também não vai comigo a sopa quente da minha mãe. Não sempre, ao menos. Porque de vez em quando ela vai para o meu congelador, ah se vai!


Toda mudança causa esse medo. Seja de emprego, de casa, de namorado. Acho que é sempre assim né? Passa um filme na mente. Um filme que inicia lá no passado, anos antes disso tudo. Quando eu sequer imaginava que as coisas estariam do jeito que estão. E tantas coisas não estão mesmo como imaginei…


O fato é que a ansiedade louca que inicialmente tomava conta de mim se abrandou. Sei que está cada vez mais perto da hora de levar minhas poucas coisas para o meu larzinho. E sabendo isso, me acalmei. Sei também que posso e vou fazer tudo aos poucos, no meu tempo. Até que tudo fique com o meu jeito e eu, de fato, me sinta em casa. Enquanto isso, é reconfortante saber que ainda terei pra onde voltar. Sempre é.

Anúncios

10 pensamentos sobre “Nova casa, velhas saudades

  1. MUDANÇA!!! outros rumos; novos horizontes. Não importa o nome, ela sempre nos rodeia, marota, assim como se nada quisesse, ou ao contrário, com uma rapidez estúpida, avassaladora, sem aviso prévio. Mas o que seríamos, nós! sem estas alterações em nossas vidas? Preocupação, medo, ansiedade, insegurança? Tudo normal! Temos medo daquilo que desconhecemos; de que não dê certo; de fracassarmos. Mas isto importa muito pouco. Talvez nada. O sol sempre brilha, ainda quando coberto pelas nuvens.
    O que está sentindo, senti há sete anos, e as dúvidas e preocupações eram quase as mesmas. Mas faz parte do jogo. O que não dá é para fugir dele. Disto tudo, a certeza do quanto valeu a pena.
    Portanto querida Jac, não se preocupe demasiado, curta cada momento, afinal é somente a sua Luz fazendo as coisas acontecerem…

    Grande abraço e um ótimo início de semana!

  2. Gosto muito dos seus textos, do lirismo, da sensibilidade .. vc sabe disso..
    Mas, porcamente, vou quebrar o clima:

    E agora? Qual próximo passo? Vai casar … ? Ser mãe? Aposto que sim: é o plano secreto (e maquiavélico) de toda mulher.

    Brincadeiras à parte: uma boa semana!

  3. Gostei do texto e entendo tão bem essa saudade antecipada. O que não entendo são as pessoas querendo adivinhar teus sentimentos. Acho isso tão engraçado, e ao mesmo tempo tão invasivo, que faz eu analisar mais friamente o ato de escrever num blog. A coragem para se expor e deixar-se analisar me parece tão grande quando a de sair de casa para morar sozinha.

    beiju

    • Pois é Ju. Talvez o fato de eu escrever sobre meus sentimentos e sobre minha vida no blog, dê aos outros a impressão de que podem fazer isso e de que sabem do que falam. Na maioria das vezes não sabem… como agora, num texto onde falo sobre mudanças, nova casa, novos desafios e algumas pessoas preferem enxergar outras coisas. Apesar disso, ainda acho que vale a pena. Escrever livremente sobre o que eu quiser me alivia. É bom 🙂

  4. Queria tanto morar sozinha… Mas ainda não tenho condições.
    Tô amando teus textos sobre esse momento tão teu, mas mesmo sendo tão teu, me pergunto se comigo será assim também.
    Bj, curte muito essa etapa porque deve ser muito boa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s